Uma plataforma EXCLUSIVA para você encontrar as melhores clínicas de recuperação do BRASIL!
Drogas

O crack faz o dependente emagrecer?

14 de junho de 2021
O crack faz o dependente emagrecer?

O crack é uma droga criada a partir da combinação de cloridato de cocaína e bicarbonato de sódio.

Dessa forma, o procedimento de fabricação dessa substância é simples, o que faz com que ela seja uma droga muito barata.

No entanto, apesar do seu baixo custo, o crack é uma das substâncias mais perigosas, pois tem alto poder de dependência e acarreta em diversos efeitos colaterais.

Inclusive, existem muitas dúvidas acerca do seu consumo e uma das principais é: o crack faz o dependente emagrecer?

 

Mas afinal, o crack faz o depende emagrecer?

É verdade sim que o depende de crack emagrece, mas isso não acontece de forma saudável.

Ora, o consumo da droga resulta em uma sensação prazerosa que faz o usuário esquecer das suas necessidades básicas, como comer e dormir.

Desse modo, há uma inibição do apetite, levando ao emagrecimento rápido e que pode acarretar até mesmo na desnutrição.

Todavia, não é o crack em que si que emagrece, mas sim porque o usuário esquece de alimentar-se adequadamente quando fuma.

Logo, naturalmente o organismo passa pela escassez de alimentos que resulta na perda de peso absurda e de forma totalmente errada.

 

O que acontece no corpo?

Após usar crack, a fumaça chega até os pulmões e é absorvida de modo rápido para a corrente sanguínea.

Então, essa substância passa a ser transportada até o cérebro, onde eleva a quantidade de dopamina, por meio de um mecanismo que evita que esse neurotransmissor seja reabsorvido.

Logo, à medida que a quantidade de dopamina vai se elevando no cérebro, o usuário fica com a sensação cada vez maior de excitação e euforia.

No entanto, como essas sensações podem ser consideradas “boas”, também aparecem outras alterações que colocam em risco a saúde, em especial a nível respiratório, neuronal e cardíaco.

As primeiras alterações são percebidas no cérebro, pois é lá que a droga atua de forma direta.

Nesse caso, há uma mudança na rede de neurônios que altera o modo como o cérebro responde a sensação de prazer e lida com o estresse, fazendo com que o usuário busque no crack a solução para os seus problemas.

Além disso, por causar mudanças nos neurônios, também é comum o aparecimento de alucinações e comportamento agressivo.

Em seguida, quando o uso é elevado, o ritmo cardíaco também é afetado, o que traz risco de infarto, convulsões e paradas cardíacas.

 

Procurar ajuda é importante!

A busca por ajuda é muito importante para que seja possível tratar o vício no crack e garantir a recuperação do peso adequado para o usuário.

Desse modo, o indicado é que o tratamento seja realizado em um centro especializado, como clinicas de reabilitação, com uma equipe preparada e multidisciplinar.

Normalmente, o problema é tratado com sessões de psicoterapia ou terapia em grupo para ajudar as pessoas a encontrarem outros meios de prazer e satisfação na vida.

Além disso, em alguns casos são indicados também fármacos que podem contribuir para a recuperação do dependente.

 

Conclusão

O crack faz o depende emagrecer sim, pois ele esquece de cuidar de si e das suas necessidades básicas.

Portanto, o seu uso nunca é algo positivo, visto que surgem outros efeitos colaterais sérios e que comprometem a sua qualidade de vida.

Blog

Obesidade: como ela leva a outras doenças?

Obesidade: como ela leva a outras doenças?

A obesidade é uma doença crônica que tem sido motivo de enorme preocupação entre os especialistas

Usuário x traficante: o que diz a lei?

Usuário x traficante: o que diz a lei?

Criada em 2006, a lei 11.343, que versa sobre o assunto, traz critérios bastante subjetivos para diferenciar usuários de traficantes

Dependentes químicos e reinserção social

Dependentes químicos e reinserção social

O processo de reinserção social de um dependente químico requer a transposição de uma série de barreiras, entre elas o preconceito

Covid-19: aumento nos casos de dependência química pode ser sinal de alerta para uma nova epidemia

Covid-19: aumento nos casos de dependência química pode ser sinal de alerta para uma nova epidemia

A pandemia do novo coronavírus trouxe muitas mudanças para o mundo. A principal delas foi a necessidade do isolamento social como forma de conter o avanço da doença