Uma plataforma EXCLUSIVA para você encontrar as melhores clínicas de recuperação do BRASIL!
Dependente Químico

Dependente químico e LOAS

10 de setembro de 2021
Dependente químico e LOAS

O BPC/LOAS é um benefício assistencial que é pago pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Seu valor é equivalente a 01 salário mínimo e é concedido aos cidadãos que comprovem possuir uma deficiência que o inabilitem para a rotina laboral, não conseguindo assim manterem a si mesmos e suas famílias.

Dependentes químicos também podem ter direito ao BPC, visto que a dependência é uma doença com potencial para inabilitar o indivíduo para o exercício de diversas atividades.

Quer saber mais sobre o LOAS e a possibilidade de pessoas com dependência química adquirirem esse benefício? Continue a leitura!

 

LOAS: o que é e quem tem direito?

LOAS significa Lei Orgânica da Assistência Social. Por meio desta legislação, é possível ter acesso ao benefício de um salário mínimo mensalmente. Idosos e portadores de deficiência que comprovadamente não possuem os recursos necessários para se manter ou sustentar a família podem requerer esse benefício.

Dentro desse contexto, em alguns casos, podemos incluir os dependentes químicos. Os critérios para obter o BPC são os seguintes:

 

  • Possuir uma deficiência ou ter pelo menos 65 anos, no caso de idosos que não possuem deficiências;
  • Ter uma renda familiar mensal (per capita) que não ultrapasse ¼ do salário mínimo – basta dividir o valor do salário mínimo vigente por 4 para chegar à renda máxima permitida por pessoa;
  • Não estar ligado a nenhum regime de Previdência Social – não receber aposentadoria de outras fontes;
  • Não receber nenhum tipo de benefício, com exceção dos de assistência médica;
  • Comprovar que não possui recursos para se manter e nem sustentar a família.

 

É fundamental ressaltar que, para ter o direito ao BPC/LOAS, o indivíduo não precisa ter contribuído para a Previdência/INSS.

 

Dependentes químicos podem receber o BPC/LOAS? 

Os dependentes químicos sofrem com danos a sua saúde como um todo: seu corpo, sua mente e suas emoções. Esta doença tem potencial para ocasionar alterações cognitivas, comportamentais e fisiológicas que trazem uma série de complicações para o indivíduo, podendo causar sequelas irreversíveis.

Considerando tudo isso, sim, é possível que um dependente químico preencha todos os requisitos do BPC, não por ser necessariamente dependente e sim por ser idoso ou portador de deficiência que se enquadre em todos os critérios necessários para pleitear o LOAS.

 

A dependência química é uma doença séria que afeta não apenas a vida do usuário de drogas, mas também o cotidiano de seus entes queridos. Aos primeiros sinais, é importante procurar uma clínica especializada com profissionais qualificados, o que elevará as chances de sucesso do tratamento.

O Busca Clínicas de Recuperação é a melhor opção para você que está procurando uma clínica. Temos diversos locais cadastrados em nossa plataforma. Através dela, é possível ter acesso a fotos do local e a avaliações de outros usuários. Acesse já o nosso site!

Blog

Obesidade: como ela leva a outras doenças?

Obesidade: como ela leva a outras doenças?

A obesidade é uma doença crônica que tem sido motivo de enorme preocupação entre os especialistas

Usuário x traficante: o que diz a lei?

Usuário x traficante: o que diz a lei?

Criada em 2006, a lei 11.343, que versa sobre o assunto, traz critérios bastante subjetivos para diferenciar usuários de traficantes

Dependentes químicos e reinserção social

Dependentes químicos e reinserção social

O processo de reinserção social de um dependente químico requer a transposição de uma série de barreiras, entre elas o preconceito

Covid-19: aumento nos casos de dependência química pode ser sinal de alerta para uma nova epidemia

Covid-19: aumento nos casos de dependência química pode ser sinal de alerta para uma nova epidemia

A pandemia do novo coronavírus trouxe muitas mudanças para o mundo. A principal delas foi a necessidade do isolamento social como forma de conter o avanço da doença