1. Como saber se tenho compulsão alimentar (Data: 14/03/2017)

Como saber se tenho compulsão alimentar

Como saber se tenho compulsão alimentar

Entre as principais compulsões tratadas em clínicas de recuperação, a compulsão alimentar tem se tornado cada vez mais popular. Grande parte disso se dá porque estamos em um mundo um pouco diferente do que víamos há alguns anos atrás, mais comprometido com a saúde, com a alimentação e com o bem-estar.

Dessa forma, a compulsão alimentar e a sua consequente obesidade acabam por serem um símbolo de algo considerado sagrado na sociedade atual: o corpo, e nos dias de hoje, onde o cultivo do corpo e hedonismo se tornam exagerados, esses tipos de problemas são vistos como uma vergonha, não como doenças sérias, que afligem milhares de pessoas.

Entendendo a causa para chegar à cura

Antes de mais nada, é preciso entender que compulsão por comida é diferente de gostar de comer. Para muitas pessoas, experimentar diferentes pratos é algo prazeroso, uma descoberta feita a cada situação. Já quem é compulsivo não vê a comida como um prazer, vê como uma necessidade, um cano de escape para fugir de sua realidade, que pode envolver problemas pessoais e interpessoais.

Entre os problemas pessoais, destacamos a ansiedade e a depressão como dois dos principais motivos que levam à compulsão. Uma pessoa ansiosa tende a querer mudar os rumos do seu pensamento recorrendo a diferentes recursos e, quando encontra na comida um conforto, tende a retornar de forma periódica para ela.

Já a depressão exige um diagnóstico mais apurado. Principalmente em adolescentes, a insatisfação com o próprio corpo leva a uma ação de “auto boicote” onde a pessoa não se gosta mas insiste em continuar agindo de forma prejudicial à sua própria saúde ou autoestima, o que leva a acessos de fúria que podem ocasionar ataques constantes à geladeira ou a guloseimas.

Vale lembrar que a diferença entre uma pessoa compulsiva ou obesa e uma pessoa que apenas gosta de comer é um fator psicológico mas também de saúde. A partir do momento em que uma compulsão prejudica sua vida ou afeta seu corpo, é preciso intermediação por parte médica. E isso, quanto antes feito, melhores resultados pode acabar trazendo no tratamento das condições.